sábado, 28 de dezembro de 2013

Javardice de Jornais

Assinei o Press Reader  em promoção, por 5,99 dólares por mês. Posso assim descarregar gratuitamente cerca de 2400 jornais de todo o mundo.

Hoje, bem ao estilo de "eat all you can", descarreguei logo de manhã: Público (e Fugas), DN, JN, Açoriano Oriental, New York Times, Washington Post, Los Angeles Times, Chicago Inquirer, Guardian, Le Monde, Jornal de Angola, Folha de São Paulo e... O Jogo.

Como é evidente, ainda consegui ler nem 1/10. Mas javardice de jornais não é pecado, certo?

Nós fizemos a asneira... E eles foram inertes a resolvê-la!

Deixem-me ver se percebi: o PS anda indignado com a inércia da ministra a resolver os contratos SWAP  que o Governo PS celebrou. E mais: acusa a restante esquerda de não alinhar na sua indignação... Lindo.


sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

As Bestas Bestiais


Com o seu quê de Guerra Fria, é curioso ver como Snowden e as Pussy Riot integraram rapidamente o leque de personagens mais interessantes de 2013. Perseguidos pelos seus governos (super-potências, lembram-se?)  e amados internacionalmente, têm conseguido ser uma espécie de guerrilheiros da liberdade. O mundo agradece se surgirem em 2014 mais bestas bestiais como estas.

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Ho Ho Ho... Boas Festas!


Tudo igual, portanto


Vejo hoje no Público que Carlos César deverá ser o cabeça de lista  do PS Açores às próximas legislativas, sendo a Presidência da Assembleia o posto que lhe poderá estar reservado. Exatamente o mesmo que aconteceu a Mota Amaral depois dos seus quase 20 anos no poder...

Uma das maiores heresias que se pode dizer aos socialistas açorianos passa por apontar as semelhanças entre o reinado de César e o reinado de Mota Amaral. Se calhar é melhor começarem a esforçar-se mais por serem de facto diferentes... :)

Desejos de Natal


O Natal e a época que rodeia as festas de final de ano são tipicamente tempos reflexivos sobre o que somos e o que queremos ser. E para lá dos sentimentos de culpa ou dos otimismos excessivos em que muitas vezes nos “auto-embrulhamos”, estas festas são momentos importantes de reflexão e reforço da vontade de mudança e a vontade de fazer diferente sobre tudo aquilo que nos rodeia. Sendo a política um espaço de intervenção sobre o bem comum, sobre a coisa pública, também a política devia aproveitar este momento reflexivo. Porque não? Refiro-me à política entendida como um debate de ideias democrático sobre quais as melhores soluções para o país, para a região, para o concelho. No fundo, o que poderíamos fazer para que esta mal-amada política melhorasse e fosse um bocadinho mais respeitada pelos cidadãos? Porque este é um tempo de valores, centremo-nos neste tipo de dimensões.

Destacaria, em primeiro lugar, o valor da Clareza. Como é sabido, a política faz-se de escolhas, de caminhos diferentes, de soluções alternativas. Mais do que a busca permanente de consensos, muitas vezes altamente contraditórios, a atividade política deve assentar em conjuntos de ideias sólidas que suportem uma visão do mundo. É por isso que é necessária maior clareza na defesa das ideias e das políticas que nelas assentam. Trocado por miúdos, não podemos defender algo e o seu contrário ao mesmo tempo. Não podemos ser liberais e sociais-democratas ao mesmo tempo. Não podemos defender o Estado Social ao mesmo tempo que privatizamos os seus mais diversos setores. Não podemos defender o Estado Social, ao mesmo tempo que diminuímos e limitamos cada vez mais os mais diversos direitos sociais. Precisamos, por isso, de clareza política. Precisamos de posicionamentos claros, e não de posicionamentos de quem está “em cima do muro”. Alguns estudos académicos já demonstraram empiricamente que os dois maiores partidos portugueses estão excessivamente alinhados no centro político, distinguindo-se muito pouco no que defendem e no que aplicam. Esta falta de distinção é responsável pelo conhecido sentimento de “são todos iguais” e origina uma espécie de despolitização da atividade política, deixando-a entregue aos jogos partidários. A clareza é, por isso, um dos valores que gostaria que se reforçasse no futuro no panorama político português.

Destacaria, em segundo lugar, a Coerência. Sendo a mudança de ideias normal, o debate político é no entanto demasiado sério para assistir a permanentes flutuações de posicionamentos. Sobretudo quando estas flutuações são tipicamente motivadas por jogos políticos puros, apostados na falta de memória do eleitorado, e não por quaisquer mudanças de ideias. Não podemos ontem defender a vinda da troika e hoje dizer que as suas políticas são um desastre. Não podemos ontem defender a austeridade e hoje dizer que a verdadeira aposta tem de ser feita no crescimento. Precisamos por isso de Coerência como valor central à democracia.

Por último, apesar de aparentemente redundante, sublinharia a importância da Seriedade. Seriedade na prossecução dos objetivos públicos, colocando-os sempre acima dos interesses partidários e, sobretudo, acima dos interesses pessoais. Apesar de estar totalmente enlameada, a política mais não devia ser do que a dedicação à causa pública. muitas vezes, em prejuízo dos interesses pessoais, dos interesses dos grupos a que se pertence. Esta dedicação ao comum, ao público, ao que é de todos os nós, que se quer combativa, que se quer com ideias diferentes e caminhos distintos, tem de ser levada a cabo com seriedade, com dignidade, por mulheres e homens sérios. 

Boas festas e um excelente 2014!

Artigo hoje publicado no Açoriano Oriental

Como acabar com a Administração Pública?

Na semana em que o Governo apresenta um novo programa de rescisões na Administração Pública, percebemos mais uma vez que existem receitas diversas (possivelmente tantas quanto as do bacalhau) para acabar com a Administração Pública). Mas a seguida por este Executivo é digna de estrelas Michelin. E mais do que olhar para a forma criativa como se alinham os diversos ingredientes no discurso político, vale sempre a pena recordar quais são os ingredientes base da receita.

A Administração Pública é Ineficiente. Começamos sempre por este argumento de que a máquina até é boa, até faz umas coisas interessantes, mas é naturalmente ineficiente. Coloca-se lado a lado o funcionamento público e o funcionamento privado e chega-se logo a esta brilhante conclusão. E para quê ter em conta que as obrigações de um serviço público (e.g. transparência, equidade, independência, universalidade) são condicionantes que o distinguem desde logo de um serviço privado? Não vale a pena chatear os cidadãos com estes pormenores. O que importa é colocar público e privado lado a lado e pronto. 

A Administração Pública é Gorda. É um facto. Os índices internacionais até podem dizer que Portugal não é diferente da maioria dos países desenvolvidos no que ao peso do setor público diz respeito. Mas importa sempre que esta ideia das gorduras do Estado não desapareça. Pelo contrário, é uma visão sempre útil para justificar todas e quaisquer reformas que se pretendam implementar. Os autores das mesmas nunca querem diminuir ou acabar com as funções sociais do Estado (que ideia?!). Apenas querem livrá-lo das suas ineficiências gordurosas.

A Administração Pública é uma cambada de privilegiados. Como já não bastasse o sacrilégio de ter alguma segurança no trabalho (um horror…), os funcionários públicos trabalham pouco, ganham muito e têm privilégios como ninguém. Toda a gente o sabe, para quê sequer perder tempo a detalhar mais esta questão. Por isso, quando é preciso apertar o cinto, nada como desenvolver numa espécie de luta de classes contra os privilegiados da função pública.

A Administração Pública tem algumas pessoas que se aproveitam. Desengane-se pois quem acha que todos os funcionários públicos são maus. Não são todos assim. Alguns até se aproveitam. Alguns até são bons. Mas importa sim separar a boa moeda da má moeda.

A Administração Pública até deve existir. Sim, o bom liberal até acha que o país precisa de uma Administração Pública. O bom liberal até “concorda” com a Administração Pública. Mas, tem de ser uma boa Administração Pública, e não uma má Administração Pública. Um quadro mental bastante profundo, portanto. 

Com algumas variações quanto à disposição dos ingredientes, e com um ou outro ingrediente secreto para alegrar cada uma das novas reformas, as receitas para acabar com a Administração Pública não variam muito. Quando muito encontramos inovação na forma como a receita é apresentada no prato. Porque, de resto, o conteúdo é já bem conhecido de todos.

Artigo publicado na sexta-feira no Esquerda.net

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Os Comentadores Flutuantes


Ok, é verdade: os eleitores flutuantes fazem-me ranger os dentes. Não consigo evitá-lo. Como polítólogo, compreendo perfeitamente o fenómeno. Como cidadão, acho muito mais difícil perceber o "flutuanço". Paradoxal, não? O sector do eleitorado que tipicamente decide as eleições, que ora vota no centro-esquerda, ora vota no centro-direita, deixa-me incomodado. Por estar ideologicamente tão no centro do centro, mostra conseguir defender hoje uma coisa, e amanhã o seu contrário. E fá-lo sem problemas, e fá-lo sem sequer perceber muito bem que o está a fazer. 

Mas se consigo dar de barato a flutuação de um cidadão que, como é evidente, tem mais do que pensar do que no futuro do país, tem mais do que se preocupar do que a coerência política das suas ideias, irrita-me sobretudo a figura do "comentador flutuante". Chateiam-me cada vez mais os Josés Gomes Ferreiras, os Pedros Santos Guerreiros, os Henriques Monteiros, os Ricardos Costas e as Constanças Cunhas e Sás. 

Antes, o pais vivia acima das suas possibilidades, os portugueses viviam no bem bom, a troika foi quase aplaudida e os sacrifícios eram necessários perante o regabofe socrático. Depois começou a perceber-se que, espera lá, afinal a austeridade tinha de ter alguns limites, que era preciso não praticar uma política de terra queimada, que os sacrifícios eram necessários, mas convinha não mandar o bebé fora com a água do banho. No momento atual, os flutuantes são já quase campeões da esquerda. O Governo é incompetente e primário, era evidente que o país assim não iria lá e eles, no fundo, sempre o disseram. 

E, um dia que o pais saia deste buraco, não tenhamos dúvida que os comentadores flutuantes dirão que foi um sacrifício necessário, que Passos e Portas foram corajosos e que foram homens do seu tempo. E pachorra, hein?

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Stupid is Beauriful


Depois de "Cara de Chewbacca", mergulhei na grandiosa obra de PZ. Uma delícia. Recomenda-se também vivamente "O que me vale és tu". Este tipo de non sense puramente idiota (ou inteligente, dependendo da perspetiva) acaba por funcionar como um bom remédio de alma.

A Terrível Falta de Memória

Na semana da morte de Nelson Mandela, vimos subitamente todo o mundo reclinar-se perante um das figuras mais marcantes da 2ª metade do Século XX. Mandela tornou-se uma figura consensual, símbolo da resistência, mas também da paz e da capacidade de perdoar. Subitamente os elogios a Madiba vêm dos mais diversos quadrantes, tornando o pai da Africa do Sul como uma figura quase acima da política. O problema é que os grandes consensos assentam também, bem ou mal, em grandes esquecimentos. E no caso de Mandela, a situação tornou-se evidente de mais. Cavaco Silva, por exemplo, que mandou desde logo condolências aos familiares, esqueceu-se que o seu Governo, em 1987, votou vergonhosamente nas Nações Unidas contra a libertação de Mandela. Eis as faltas de memória que tanto jeito dão.

Mas, passando a domínios bastante mais terrenos, esta foi também a semana em que se avançou com a privatização dos CTT. Com pompa e circunstância, uma empresa pública que não era deficitária foi privatizada com vista a amortizar-se a dívida. Curiosamente, tal privatização foi criticada não apenas pelo Bloco e PCP, mas também pelo PS, que considera que a alienação em curso é lesiva dos interesses do Estado. Curiosamente, o indignado PS dos dias de hoje é o mesmo que há três anos e meio atrás desmultiplicava-se em explicações sobre a viabilidade de privatizar-se os CTT. Do Sócrates ao Passos, descubra as diferenças.

E o mesmo se passa com os estaleiros de Viana do Castelo. No sábado passado, houve direito a uma sessão de solidariedade com os trabalhadores dos estaleiros. A iniciativa reuniu diversas figuras públicas da esquerda, destacando-se também alguns notáveis socialistas: de Mário Soares a Miguel Laranjeiro, passando por Ana Gomes. E ainda bem que assim é. Só é pena que 
tais posicionamentos parecem esquecer-se da política do anterior Governo a este respeito, onde se destacava precisamente a vontade de privatização dos estaleiros. Os resistentes de hoje são os mesmos que há pouco tempo atrás tinham uma visão um pouco diferente do problema. 

Esta tão grande mudança de posicionamento nestas ou noutras dimensões semelhantes pode ser considerada estranha, ou talvez não. É naturalmente muito conveniente para o PS mostrar-se indignado com diversas opções do governo PSD/CDS. Mas o certo é que o Memorando de Entendimento com a troika continua a enquadrar grande parte das ações do atual Executivo: das privatizações à diminuição dos quadros do Estado, das limitações nas prestações sociais à racionalização da rede de escolas e hospitais públicos. E adivinhem quem foi o grande autor do referido memorando de entendimento? O Governo PS, como é evidente. Este tipo de acordos internacionais não nos são apresentados prontos a assinar por parte dos credores internacionais. Pelo contrário, este foi construído internamente pelo Governo em funções, pré-aprovado externamente pelos credores e posteriormente assinado pelas conhecidas forças políticas: PS, PSD e CDS. 

Estas tão grandes mudanças de posicionamento apostam fortemente na falta de memória da sociedade civil. Eis um comportamento que não enobrece a política e leva depois os cidadãos a considerarem “os políticos” como um bando de mentirosos. Mas se podemos atribuir responsabilidades aos próprios políticos, importa também esperar mais das instituições da sociedade civil, que assumem o importante papel de fiscalizar e contrabalançar a atividade politica. Destaque natural para a comunicação social, mas também para a academia, para as organizações não-governamentais. São estes sectores sociais e profissionais que têm de garantir que estas jogadas de “falta de memória” não passam incólumes. Uma democracia forte exige uma sociedade civil atenta, funcionando como um bom fiscalizador da atividade política. A qualidade da democracia assim o exige.

Arrtigo hoje publicado no Açoriano Oriental

domingo, 8 de dezembro de 2013

Do Sócrates ao Passos: Descubra as Diferenças


“Exmo. Sr. Primeiro-Ministro

Fomos recentemente surpreendidos com a possibilidade do Estado abrir mão de uma série de empresas públicas: CTT, REN, TAP, ANA, CP, EDP, entre outras. Enquadrado pelo PEC, o seu Governo traça agora um caminho diferente do que submeteu a sufrágio há uns meses atrás, altura em que as contas públicas não eram certamente suas desconhecidas, nem o cenário económico internacional mais favorável do que o verificado actualmente. Porquê então esta mudança de face tão significativa? Porquê uma face keynesiana antes das eleições e uma face neoliberal poucos meses depois. Confesso não ter sido seu eleitor, mas suspeito que estes se sentirão profundamente enganados a este respeito.

Esmiucemos então o caso emblemático dos CTT, que possui contornos chocantes. Importa referir em primeiro lugar que se trata uma empresa pública que dá lucro. Ou seja, constitui uma fonte de receita para o Estado. Não pode, portanto, ser acusada de contribuir para défice. No momento actual, aponta-se a sua privatização para se poder amortizar os juros da dívida pública. Mas o normal funcionamento da empresa garante lucros que em poucos anos superam o valor que o Estado receberá agora pela sua privatização. Enfim… Há racionalidades intrigantes nestes negócios que certamente escapam ao comum dos mortais.

Mas, para lá da questão da rentabilidade, os CTT desenvolvem um serviço estratégico de inegável interesse público de norte a sul do país, no continente e ilhas. Da entrega de correspondência ao pagamento das pensões, à possibilidade de serem pagas as contas da água e da luz, de carregar o telemóvel, entre muitos outros serviços, os CTT prestam um conjunto de serviços importantes, nomeadamente junto dos sectores mais idosos da população. Os mais de 1000 balcões constituem um invejável instrumento de coesão territorial que chega aos locais mais remotos do país. Foram os imperativos de serviço público que levaram à criação de tal rede, subjugando naturalmente a questão da rentabilidade às necessidades efectivas das populações. 

Colocando-se agora um cenário de privatização, alguém acredita que a rede dos CTT se manteria intacta? Muitas estações não resistirão aos imperativos de rentabilidade, sobretudo as que se encontram em pequenas localidades, distantes dos grandes centros urbanos. A tentação de as encerrar acontecerá com certeza. Eis um exemplo de como a prossecução do interesse público por entidades privadas possui naturais limitações. Alguns argumentarão que tal tentação não se colocaria porque o modelo de privatização passaria por o Estado suportar os custos de tais serviços não rentáveis. Mas, admitindo tal estratégia, estaríamos então a privatizar os lucros e a nacionalizar os prejuízos, um negócio com uma racionalidade no mínimo duvidosa. 

Sobretudo pelas razões acima referidas – prestação de um inegável serviço público que ainda por cima é uma fonte de receita do Estado – a privatização dos CTT é uma medida que merece, no mínimo, ser seriamente questionada. Cá estamos para o efeito, aguardando ansiosamente os seus esclarecimentos. Porque o rumo que V. Exa. nos oferece é de tal forma incompreensível que, como compreenderá, nos sentimos por vezes tentados a considerá-lo inatingível pelo comum dos mortais.

Obrigado,
João Ricardo Vasconcelos”

Este artigo sobre a privatização dos CTT, em forma de carta, foi escrito há mais de três anos e meio no portal agora desaparecido www.correiopublico.net, no âmbito de uma campanha promovida pela ATTAC Portugal. O argumentário continua atual. Apenas o destinatário mudou: na altura tínhamos José Sócrates, hoje temos Passos Coelho. É bom lembrar estes pormenores ao PS, verdadeiro campeão do Estado Social keynesiano nos tempos que correm. O PS que anda hoje muito indignado com a privatização dos CTT. Pois é, há muita falta de memória… Comentários para quê?

João Ricardo Vasconcelos

Artigo publicado na sexta-feira no Esquerda.net

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Mandela (1918-2013)


Normalmente desconfio de figuras que recolhem amplos consensos. As grandes mulheres e os grandes homens não costumam ser consensuais. Mandela faz parte daquele pequeno grupo que corporiza bem a excepção a esta (minha) regra. Alguém que muda o seu país e o mundo de forma pacífica e conciliadora após 27 anos de prisão, é com certeza um gigante da liberdade. RIP Mandela.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Roubar o Futuro


Numa iniciativa que reuniu personalidades da esquerda, mas também do centro político, Mário Soares voltou a alertar para a urgência de se mudar de rumo, uma vez que “a violência está à porta”. A idade, estatuto e estilo de Soares permitem-lhe ter este tipo de intervenções, que originaram diversos protestos da direita e de responsáveis governamentais dada a eventual “legitimação da violência” que as mesmas podem encerrar. Independentemente da indignação perante as declarações, o que é facto é que os protestos destes últimos anos apresentam níveis de tensão quase desconhecidos até agora em Portugal. As imagens de nervosismo e até alguns confrontos em frente à Assembleia da República tornaram-se quase recorrentes. 

Por outro, e isto não se tratou de um mero pormenor, na mesma noite em que Soares fazia este aviso, uma manifestação dos profissionais de segurança invadiu as escadarias do Parlamento. Ou seja, mesmos os setores profissionais considerados naturais respeitadores da ordem começam a dar graves sinais de nervosismo. O que deixa particularmente apreensivos os governantes e a própria direita política. Se não podem contar com corpos de segurança como os polícias ou os guardas prisionais para manter a ordem, contarão com quem? Sintomático. O cenário começa a ficar deveras complicado.

Mas independentemente da crise e da austeridade se fazerem sentir nos mais diversos setores sociais, os setores jovens da população estão com certeza entre os que mais estão a sentir na pele o momento que atravessamos. A mais qualificada geração de sempre vê, neste momento, o futuro ser-lhe descaradamente roubado, hipotecado, suspenso. As mais diversas peças jornalísticas vão-nos retratando as histórias pessoais que vão acontecendo um pouco por todo o país. E cada um de nós começa a conhecer uma meia de casos como estes, ora de amigos, ora de familiares.

Jovens que terminaram as suas licenciaturas e mestrados e pura e simplesmente não conseguem entrar no mercado de trabalho. A economia atual apenas lhes consegue oferecer precariedade em troca do esforço e recursos que empenharam aquando da sua frequência do ensino superior. E se tal sentimento de futuro roubado se faz sentir entre os jovens mais qualificados, a situação complica-se ainda mais entre a juventude que apenas terminou o secundário ou ficou-se pelo 10 ou 11º ano. A geração “nem-nem” – nem trabalho, nem educação/formação – que não consegue abandonar a casa dos pais porque não consegue ter recursos para se sustentar autonomamente, está a engrossar a olhos vistos. As estatísticas oficiais começam aliás a demonstrar o número crescente de jovens nesta situação.

Soares acenou com a ameaça de violência e muitos sectores ficaram indignados. Parecem esquecer que foi precisamente esta situação de desemprego entre a juventude mais qualificada de sempre que esteve na origem da vaga de movimentos internacionais como a Primavera Árabe, o Occupy Wall Street ou “os Indignados”. E não está aqui naturalmente em causa a utilização ou não da violência por estes movimentos, que no mundo ocidental mostraram-se até particularmente pacíficos, mas sim do papel transformador que poderão assumir. Uma juventude “desocupada” e “insatisfeita” deve ser naturalmente motivo de preocupação de todos, sobretudo dos que parecem tão convictos da receita atual. Confesso que sou dos primeiros a temer pela consistência dos consensos alargados como os que vimos na Aula Magna na semana passada. Mas eles são sem dúvida um sinal de que, independentemente da filiação ou convicção política, são cada vez mais os que estão dispostos a lutar contra quem lhes anda a roubar o futuro.

Artigo hoje publicado no Açoriano Oriental
Imagem: HR Portugal

Os Palermas


Acho de uma terrível pequenez ver nas redes sociais, no café da esquina, no taxi cá do burgo, quem se congratule com a aplicação das 40 horas aos funcionários públicos. Tipicamente com argumentos do tipo "acabaram-se os privilégios, agora trabalhamos todos o mesmo" ou, em causa própria, "eu já trabalhava 40 horas, isso não me afeta".

Se repararem, são os mesmos que aplaudiram a vinda da troika com o argumento de que andávamos a viver acima das nossas possibilidades. Os mesmos que achavam que a dívida seria resolvida cortando nas gorduras do Estado. Os mesmos que acharam justos os cortes nos subsídios aos funcionários públicos, essa cambada de privilegiados. 

Os mesmos que agora até já acham que a troika são uns malvados e que este Governo afinal é uma porcaria. Os mesmos qiue acham que já chega de apertar o cinto e que afinal importa apostar no crescimento. Os mesmos para quem o Sócrates passou de besta a bestial num estalar de dedos. Comentários para quê?

domingo, 24 de novembro de 2013

Uma Minoria, um Governo, um Presidente


No que ao domínio das principais instituições políticas diz respeito, não haja dúvida de que estamos a viver o famoso sonho de Sá Carneiro. Por uma conjugação diversa de fatores, a direita política conseguiu finalmente dominar o Parlamento, o Governo e a Presidência da República. A parte que Sá Carneiro não previu com certeza no seu sonho é que este seria o mais mal-amado Governo da história da democracia portuguesa, o mesmo acontecendo com o Presidente da República. A maioria que elegeu ambos tornou-se rapidamente numa minoria em termos eleitorais. E o consenso que se fez sentir na noite de ontem na Aula Magna não deixa dúvidas a este respeito. Chegámos de facto ao momento em que passou a ser razoável pedir-se a demissão simultânea dos responsáveis que ocupam as duas principais instituições políticas do país.

A raiz da ilegitimidade de ambas resulta da conjugação de evidências bastante claras. Em primeiro lugar, com mais ou menos volatilidade eleitoral, é hoje certo que as maiorias eleitorais que suportaram o presente Governo e elegeram Cavaco Silva há muito caducaram. Ou seja, os cidadãos hoje dificilmente voltariam a atribuir uma maioria ao PSD/CDS nas legislativas ou atribuiriam a Presidência a Cavaco. Como é evidente, poder-se-á argumentar que as instituições políticas não podem ficar permanentemente reféns das intenções de voto dos cidadãos. Essa é aliás a razão da existência de mandatos, no fim dos quais os cidadãos revalidam ou escolhem uma nova maioria. Ok… O problema é que as evidências da ilegitimidade não se ficam por aqui.

A presente maioria governa contrariando pontos centrais do programa eleitoral que apresentou a eleições. Prometeu que não ia aumentar impostos, que não ia reduzir salários, que apenas se ficaria pelas gorduras do Estado. Todos se lembram também de Cavaco a dizer há dois anos atrás que tínhamos chegado ao limite dos sacrifícios que podiam ser pedidos aos portugueses. Os resultados estão à vista, encontrando-se as naturais justificações para não se cumprir o que se prometeu. Assume-se assim que o programa eleitoral não é um contrato entre eleitos e eleitores, mas sim uma mera proclamação de intenções que pode ser colocada na gaveta caso as circunstâncias, os imponderáveis e companhia assim o determinem.

Acrescentemos então uma terceira evidência de ilegitimidade do atual Governo e do atual Presidente da República: a tendência de ambos para as inconstitucionalidades. Temos um Governo que bateu com certeza todos recordes na apresentação de propostas inconstitucionais. Temos também um Presidente cuja vontade de manter a estabilidade política o fez esquecer também de forma recordista o seu papel enquanto garante da Lei Fundamental.

Não é pois de admirar o consenso em torno da necessidade de mudança de ciclo político. Um consenso que inclui hoje os mais insuspeitos sectores. É certo que os consensos demasiado alargados são sempre de consistência duvidosa. Mas a situação tornou-se tão urgente que seria irresponsável ser-se demasiado exigente nestes domínios.

Artigo publicado na sexta-feira no Esquerda.net

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Ronaldo, o humilde


Em dia de glória de Cristiano Ronaldo, recordo crónica de Ricardo Araújo Pereira publicada há dois anos atrás na Visão:

"Cristiano Ronaldo acaba de ganhar mais um prémio importante e, no entanto (ou por causa disso), muitos estrangeiros odeiam-no, e alguns portugueses toleram-no com aquele desprezo manso que se dedica aos rústicos. Dizem "Cristiano Ronaldo" articulando todas as sílabas com escárnio, sublinhando toda a cristianoronaldice do nome. Essa gente maldosa sabe o que faz: o nome foi a única vantagem com que Cristiano Ronaldo nasceu. É um nome que indica ao seu proprietário a carreira que deve seguir. Um nome psicotécnico: um arquitecto Cristiano Ronaldo sabe que nunca vencerá o Pritzker, e um engenheiro Cristiano Ronaldo nunca será quadro de topo da Mota-Engil - a menos que tenha sido ministro das Obras Públicas, mas infelizmente o cargo de ministro também está vedado a Cristianos Ronaldos, como é óbvio. Não, assim que um miúdo recebe o nome de Cristiano Ronaldo, pode começar a engraxar as chuteiras: já sabe que vai ser jogador de futebol.

Foi a única vantagem com que Cristiano Ronaldo nasceu. Tudo o resto foi conseguido por ele. É por isso que, ao contrário do que parece ser a opinião geral, considero que Cristiano Ronaldo é modesto e casto. Modesto e casto, digo bem. E justifico: Ronaldo nasceu, há 26 anos, num lugarejo esquecido da Madeira. À custa exclusivamente do seu esforço, conseguiu ser considerado o melhor do mundo no seu ofício. É isso que faz dele modesto. No lugar dele, tendo feito os sacrifícios que ele fez e obtido o que ele obteve, eu teria mandado fazer um cartaz, todo em néon, com os dizeres "Eu sou o grande Cristiano Ronaldo" e uma seta fluorescente a apontar para mim, pendurava-o ao pescoço e não saía de casa sem ele. Que ele, de vez em quando, dê uma entrevista em que arrisca um tímido elogio a si mesmo, para mim, é sinal de humildade.

Além disso, recordo que Ronaldo tem 26 anos. Parece que se dedicou em exclusivo a uma russa quando tem 400 russas, 650 suecas, 890 finlandesas - e por aí adiante, por esse atlas afora - a baterem-lhe à porta. Qualquer rapaz normal de 26 anos que já tivesse ganho o suficiente para nunca mais precisar de trabalhar na vida faria uma curta interrupção sabática de 40 anos no futebol para se dedicar em exclusivo às estrangeiras e ao álcool, como muitos antes dele tiveram o discernimento de fazer. Entre a pândega e o trabalho, Cristiano Ronaldo optou por meter na cabeça que vai bater todos os recordes anteriormente estabelecidos pelos melhores jogadores da história, e parece bem lançado para o fazer. Escolheu mal, evidentemente, até porque aos 26 anos não temos ainda a maturidade para distinguir aquilo que é mais importante na vida, e os cantos de sereia da ética do trabalho conseguem fazer com que muito jovem imaturo abandone uma vida de libertinagem para cair tragicamente nos braços da competência profissional. Comparado com o que podia ser, Cristiano Ronaldo é um monge. Há padres mais devassos do que ele. Felizmente, eu sou capaz de perdoar as falhas de carácter mais graves, e não o admiro menos por causa disso."

Livre - Notas Soltas sobre o novo partido

  1. Há já algum tempo que se adivinhava este passo de Rui Tavares, um tipo inteligente que, não haja dúvidas, tem estado no lado certo da barrricada. Com algumas posições menos felizes, é certo, mas.. ninguém é perfeito.
  2. Não deixa de ser sintomático que esta esquerda que quer unir a esquerda tenha sentido a necessidade de formar um novo partido de esquerda;
  3. Existe espaço político para o surgimento deste tipo de partido. A zona que começa na ala esquerda do PS e abranje a ala menos radical do Bloco sempre deu mostras de ter um grande potencial a este respeito; 
  4. As eleições europeias são o momento perfeito para lançar este tipo de partido. São as menos exigentes para as forças políticas (sem necessidade de estruturas locais ou regionais). Uma lista de 20 e poucas pessoas, algumas boas ideias e capacidade de chegar à comunicação social permitem já que se possa fazer um brilharete;
  5. Se o objetivo do novo partido for conseguir um ou dois lugares nestas eleições, diria que não é nada transcendente. Como é evidente, o problema surgirá depois, com a necessidade de formar e olear uma máquina partidária mínima. De qualquer modo, nos dias de hoje, mais vale apostar em fenómenos com uma durabilidade incerta do que em grandes movimentos organizados que, certamente, não passarão do wishfull thinking;
  6. Um partido que pretende estruturar-se sobretudo à volta de uma pessoa têm hipóteses muito limitadas de sobrevivência. Se existem outros grandes rostos por detrás do movimento, convém que se assumam rapidamente;
  7. A esquerda tem destas coisas: a vontade incessante de começar de novo, de pensar que agora é que é, agora é que vamos lá. A formação constante de novos partidos mostra a vitalidade da esquerda, mas mostra sobretudo a sua dificuldade estrututural em se entender.
  8. À partida, tenho uma visão bastante cética relativamente a este novo fenómeno, pelas diversas questões acima enumeradas. Veremos como evoluirão os acontecimentos.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Oh não! O abominável César das Neves atacou outra vez!


Desta vez ficámos a saber que baixar a idade da reforma é "suicída" e que aumentar o salário mínimo é "estragar a vida aos pobres". É sempre interessante constatar o quanto criaturas como o Abominável vivem tão fora da realidade. Não só têm uma dificuldade tremenda em reconhecer a existência de vida para lá da cartilha que veneram, como conseguem demonstrar sem um pingo de vergonha na cara a selvajaria social em que acreditam. Trata-se de uma criatura muito perigosa, sem dúvida.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Boa sorte...


A presença online veio de facto colocar em causa o modelo de financiamento dos jornais. Não haja dúvidas a este respeito. E tal tem-se feito sentir em todo o mundo, em todos os títulos de referência, procurando-se há muito encontrar modelos alternativos que assegurem receita para uma imprensa que se quer de qualidade.

De qualquer modo, a opção do Público de passar para um modelo pago, de 10 € por mês após os 20 primeiros textos lidos, é arriscada. Muito arriscada mesmo. Certamente terão feito as suas pesquisas de mercado, mas parece-me excessivamente otimista pensar que os leitores passem a pagar 10 euros por mês por conteúdos que tinham na sua maioria de forma gratuita. 

Em primeiro lugar, porque a vastissima maioria dos leitores da edição online não lêem os artigos de fundo, mas sobretudo as notícias Lusa que, podendo encontrar no jornal do lado, preferem o Público por lhe reconhecerem qualidades diversas. Terão agora todas as razões para procurarem tais notícias no jornal do lado. Por outro lado, se o objetivo era começar a obter receita, seria necessário um preço bastante mais competitivo para evitar uma debandada. Diria que nunca superior a 3 € para poder aceder a um pouco mais do que até agora acediam gratuitamente e algo mais para ter um acesso ilimitado. A ver vamos...

PS: Considerar que esta campanha pode ser conduzida com o slogan "Público sem limites" parece-me um pouco tonto.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Típico


Taxista: "Where are you from?"
Eu: "Portugal"
Taxista: "Ah! Cristiano Ronaldo!"

Tive o presente diálogo ontem, quando acabara de chegar a Amã, Jordânia. Mas já o tive em quinhentas outra situações diferentes, com os mais diversos interlocutores. E tenho a certeza que cada um de nós já o experienciou cada vez que visitou o estrangeiro. A marca Cristiano Ronaldo é hoje a mais forte que Portugal tem. Não estou a ver qualquer uma que chegue sequer perto. 

Podemos reagir lamentando o facto de sermos conhecidos como o país da bola, e não como um país de cultura, de conhecimento, de economia. Pessoalmente reajo questionando como é possível que um país tão pequeno, com 10 milhões de habitantes, consiga ser um gigante naquele que é o maior desporto do mundo. Conseguimos ser identificados pelo mais simples taxista da Jordânia, por um homem da restauração na China ou por um agricultor da África do Sul. É incrível. E se não tivéssemos Ronaldo, teriamos Mourinhos, Nanis e outros tantos, tal como já tivemos Figos e Eusébios.

Não, este não é um post à lá Miguel Gonçalves, sugerindo que devemos procurar fazer da crise uma oportunidade, blá, blá, blá. Apenas um texto recordando que por vezes conseguimos ser tão cépticos que nem nos apercebemos do valor que possuímos e que é reconhecido e invejado até externamente.

A Europa que queremos


Há duas semanas escrevi sobre a Europa que temos. Com a crise instalada, a União Europeia conseguiu demonstrar as suas mais estruturais limitações. Os cidadãos sentiram na pele, sobretudo no sul da Europa, os problemas causados pela moeda única, limitando a capacidade de resposta dos países em períodos de elevada instabilidade financeira. Ficámos também a perceber que o tão proclamado Estado Social Europeu, assumido sempre como traço identitário da Europa, é rapidamente considerado supérfluo e excedentário em períodos de crise. Por último, os cidadãos compreenderam da pior maneira que a solidariedade entre países europeus é muito frágil ou quase inexistente. A União parece preferir que os mais frágeis caiam do que entrar seriamente em sua defesa e apoio nos momentos mais críticos.

Como diversas vozes têm vindo a apontar um pouco por todo o lado, o sentimento anti-Europeu está hoje a conseguir penetrar em setores considerados pouco prováveis há uns anos atrás. Mesmo em eleitorados tipicamente mais entusiastas do projeto europeu, surgem hoje mais dúvidas do que nunca quanto à sua viabilidade. As vantagens do projeto europeu nunca pareceram tão pouco evidentes como agora.

Mas é sobretudo nestes momentos de crise e de alguma turbulência que maior clareza se exige dos diversos projetos, não sendo a Europa uma exceção a este respeito. É precisamente quando as suas fragilidades se tornaram tão claras, quando tudo parece prestes a desmoronar-se, que deve ser exigida determinação ao projeto europeu, e não necessariamente o seu abrandamento ou recuo. Alguns procurarão, e legitimamente, encontrar nas fragilidades a demonstração da impossibilidade ou inconveniência do projeto. Outros, com certeza mais europeístas, encaram as presentes fragilidades como uma demonstração do aprofundamento e consolidação que necessitam de ser feitos. Encontro-me entre estes últimos.

Destaco três dimensões que a presente crise europeia veio tornar ainda mais urgente do que nunca consolidar. Em primeiro lugar, o tipo de modelo económico que pretendemos consolidar a nível europeu. Se o Estado Providência sempre foi assumido como uma das maiores criações e traços identitários do modelo económico-social europeu, importa que a Europa não seja neutra perante esta realidade. Pelo contrário, deverá integra-la na carta de direitos fundamentais que contratualiza com os seus cidadãos. A Europa deverá encarar o modelo social europeu como um dos pilares estruturantes do seu contrato social

Em segundo lugar, porque e nitidamente ligada à dimensão acima, a Europa deverá defender uma regulação internacional dos mercados financeiros que garanta que os Estados não são tão descaradamente sequestrados como vimos nos últimos anos. Enquanto grande ator da cena internacional, enquanto um dos maiores mercados do mundo, a Europa deverá ser capaz de levar este seu tipo de posicionamento além-fronteiras, defendendo afincadamente a prometida regulação que tanto teima em não chegar.

Por último, e não menos importante, a Europa tem de rapidamente encontrar um modelo de governação que garanta que o poder está democraticamente sujeito à vontade dos seus cidadãos. Assistimos, durante este período de crise, a lideranças não escrutinadas, a demasiadas decisões que não passaram pelo cunho eleitoral. É com certeza preferível dar mais um passo rumo ao federalismo europeu, por exemplo com a eleição direta de um presidente da Comissão o do Conselho Europeu, do que nos mantermos neste modelo onde lideram os Estados mais fortes, como se tem visto neste reinado de Merkel.

Estes não são tempos de decisões fáceis. Se calhar aqui sim devemos olhar a crise como uma importante oportunidade de mudança, de melhor construirmos a Europa que queremos. 

Artigo hoje publicado no Açoriano Oriental

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

A Greve serve para quê

É extraordinário que, mesmo com os piores cortes de que há memória, mesmo com os piores ataques aos direitos dos cidadãos, se continue a questionar o porquê de se fazer greve. Embora com menor intensidade do que noutros tempos, continuamos a ouvir coisas como “adianta para quê?”, “mudará o quê?”, “serve para quê”? Trocado por miúdos, antes ouvíamos que quem fazia greve eram os malandros que queriam ficar um dia em casa e/ou gozar um fim de semana prolongado. Depois quando se começou a perceber que a greve envolve um esforço financeiro grande de quem a ela adere, o argumento para não a fazer passou a ser a sua eficácia. Ou seja, qual a relação direta entre fazer greve e as coisas efetivamente mudarem?

Para esta evolução no questionamento da eficácia da greve, não devemos minimizar o já referido acima: o esforço financeiro de quem a faz. Abdicar, num momento como o atual, de um dia de salário, representa de facto um sacrifício grande. É portanto normal que a relação esforço-retorno seja neste momento questionada. E embora a questão da solidariedade não possa ser minimizada quando ponderamos aderir a este tipo de ação coletiva, há que naturalmente respeitar quem não se sente em condições de aderir.

Mas focando na questão da eficácia do nosso ato político, importa relembrar os mais céticos ou descrentes que a reduzida relação de causalidade entre fazer greve e as coisas efetivamente mudarem não é um exclusivo desta forma de participação política. Pelo contrário. Ao assumir-se este ponto de vista, a grande maioria dos atos individuais de participação cívica têm uma relação de causalidade ínfima na mudança dos acontecimentos. Será que um abaixo-assinado ou uma petição possuem uma eficácia grande? E a participação num protesto de rua? E uma carta ao Provedor de Justiça? E o envolvimento num movimento de cidadãos?

Em última análise, tal como diversos estudos problematizam e demonstram há muito, o próprio ato individual de votar possui uma relação de causalidade na mudança muito reduzida. Qual a probabilidade do meu sentido de voto influenciar de facto um resultado a nível nacional? Uma probabilidade ínfima, com certeza.

Mas a democracia é feita destes aparentes paradoxos. Se a participação política assentasse apenas na probabilidade dos meus atos individuais efetivamente influenciarem a mudança a nível local, regional ou internacional, com certeza não teríamos qualquer participação. Para além do puro cálculo da causa-efeito, a democracia assenta em componentes de solidariedade coletiva e componentes emocionais dificilmente contornáveis. Ou seja, eu participo porque considero a participação um valor em si mesmo, uma forma de comprometimento com a comunidade e com o mundo que me envolve, um compromisso de verticalidade pessoal, entre outras dimensões.

Aderir a uma greve em muito pouco difere dos restantes mecanismos de participação. Para lá do cálculo esforço-retorno, assume-se sobretudo como uma forma de ação coletiva solidária, como um statement político de vontade de mudança. Quem a faz está tipicamente comprometido com a necessidade de participar, de dizer de sua justiça, de mostrar a sua indignação. A democracia nunca foi feita de cálculos de esforço e eficácia. A democracia é feita de democratas.

Artigo publicado no Esquerda.net

terça-feira, 29 de outubro de 2013

A Europa que temos



No espaço de 7 meses, realizar-se-ão as eleições para o Parlamento Europeu. A União Europeia irá a votos possivelmente no pior momento desde o seu nascimento. Nunca os seus pilares foram tão postos em causa, de forma tão generalizada, de forma tão aberta. A crise veio de facto colocar a descoberto todos os pontos fracos da construção europeia: a moeda única e as limitações na política monetária que implica, a política financeira e o posicionamento dos 28 no panorama global, o Estado Social e a sua sustentabilidade a nível Europeu. Não faltarão assuntos para discussão nas eleições que se avizinham. E cada um deles com um profundidade tremenda em termos de debate político-ideológico.

Mas estas eleições serão críticas para a Europa tendo sobretudo em conta que o projeto europeu sofreu uma erosão tremenda nestes últimos cinco anos. Ou seja, para lá da discussão sobre as opções políticas a tomar, a Europa parece ter feito tudo para demonstrar porque é um projeto com tremendas fraquezas, com reversos da medalha com efeitos muitíssimo significativos. Efeitos estes que tocam o dia-a-dia das pessoas, tocam no seu vencimento do final do mês, nos seus direitos, nas suas liberdades e garantias. Nos países intervencionados economicamente – Portugal, Grécia, Irlanda, Chipre – os povos ficaram rapidamente a perceber os efeitos da ação (ou falta de ação) europeia na crise que os assolou. Mas a desilusão europeia não se fica simplesmente por aí. Mas em Espanha, Itália, França, ou mesmo Bélgica e Holanda, também começou a ficar claro que os mecanismos de solidariedade europeia possuem tremendas limitações. E que, no fim de contas, será sempre a soma dos interesses nacionais mais imediatos que determinará o rumo da União.

Os cidadãos sentiram na pele a fraqueza do rumo europeu sobretudo em dois domínios muito específicos: a gestão da crise económico-financeira e, por sua vez, os seus efeitos no modelo de Estado Social nos diversos países. Na gestão económica financeira da crise, ficaram a descoberto todas as fragilidades e perigos até da moeda única, que consegue deixar os Estados aderentes sem importantes mecanismos de resposta perante uma situação de crise. E tal fez-se sentir quando os anseios anti-inflacionistas de uma parte da União conseguiram deitar por terra as hipóteses de recuperação da sua outra parte em apuros. Ficou também a descoberto que, apesar de um discurso inflamado sobre os caprichos dos mercados financeiros internacionais, as medidas concretas para os combater - papel de equilíbrio do Banco Central Europeu, por exemplo - surgiram já bastante tarde e, por vezes, de forma limitada.

Relativamente ao Estado Social, proclamado também euforicamente nos mais diversos quadrantes como um património central e inalienável do edifício europeu, ficou também claro para os cidadãos que o discurso da sua defesa consegue virar rapidamente. As críticas ao seu peso tremendo no orçamento dos países, à sua sustentabilidade, ao bloqueio que representa às visões mais liberais de crescimento económico, tudo parece ter ganho uma clareza adicional neste últimos cinco anos.

Os cidadãos dos diversos Estados-membros viram assim, de forma bastante pouco agradável, que a Europa possui limitações e riscos tremendos. Como se de um momento para o outro, o sonho europeu desabasse e deixasse a nu todas as suas fragilidades. Perante este cenário, chegámos a um bom momento para pensar com mais seriedade do que nunca sobre a Europa que temos e, sobretudo, a Europa que queremos. Que Europa queremos construir? Quais as suas áreas-chave? O que podemos fazer a este respeito? Escreverei sobre estas questões no próximo artigo.

Artigo hoje publicado no Açoriano Oriental

domingo, 27 de outubro de 2013

Uma questão de fé


Agora ficámos a saber que, afinal, o segundo resgate não está assim tão eminente. Se o país se portar bem, e não tivermos juízes do Tribunal Constitucional armados em ativistas, deverá sim existir um “Programa Cautelar” (?) a partir do segundo semestre de 2014. Em linhas genéricas, continuaremos a ir aos ditos mercados com o apoio exterior e, como tal, teremos de cumprir um conjunto de condições ditadas por (adivinhem?): Banco Central Europeu e Comissão Europeia. Mas o Governo garante-nos a pés juntos que tal se trata do fim efetivo desta forte dependência externa.

Há duas semanas atrás, ficámos também a saber que, apesar de mais uma leva de cortes brutais nos salários, nas pensões, nos direitos, tal não representava mais uma vaga de austeridade. Pelo contrário, tal como sobretudo o CDS colocou, tratava-se de um último esforço antes de Portugal se libertar do protetorado externo. Não era austeridade, portanto, mas sim uma espécie de sprint final. E depois deste orçamento, tudo começaria a voltar ao lugar.

Simultaneamente, apesar da nova austeridade que não o é e da continuação da dependência externa que só as más línguas identificam, o discurso governamental é agora insistentemente salpicado pelos “sinais de recuperação”. Ou seja, apesar dos cidadãos sentirem na pele que a país piora de dia para dia, dizem-nos existirem sinais de que isto está a ir ao sítio. Ninguém sabe exatamente do que se trata, onde se refletem, de onde vêm, pero que los hay, los hay.

E a suprema ilusão do cidadão é achar que a política governamental está a falhar redondamente. Desemprego em níveis históricos? Cortes como nunca vistos? Níveis de consumo miseráveis? Metas orçamentais constantemente falhadas? Tudo pura ilusão do cidadão. Aliás, não é bem ilusão, porque o Governo até reconhece que a situação está difícil. A nossa perspetiva não deve ser a melhor, porque se este Governo nos garante que estamos a melhorar, nós acreditamos, claro.

Artigo publicado sexta-feira no Esquerda.net

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Bom bom era um referendo à existência da JSD



Porque não? Aproveitamos e fazemos o mesmo com o PSD e com o Hugo Soares. Afinal de contas, não há que ter medo da democracia e este tema merece uma ampla discussão na sociedade portuguesa, certo?

Sobre a RTP África


Porque diabo um São Tomense ou um Cabo Verdiano têm de levar com a discussão sobre se a marcha da CGTP passa pela Ponte ou se começa em Alcântara? Porque raio um angolano ou um moçambicano têm de levar com as tristes justificações Hélder Rosalinho ou com a aliança do PS com o Rui Moreira no Porto. Torna-se deveras ridículo levar na RTP África com os mesmos programas noticiosos ou semi-noticiosos da RTP 1.

O conceito de RTP África faz sentido, com vista a aproximar os vários países de língua portuguesa. Promover a lusofonia, as semelhanças entre os países, parece-me um bom conceito. Mas a RTP África não pode ser uma RTP Internacional com uns salpicos africanos. Blá blá blá falta de financiamento, blá blá blá falta de meios. A RTP África faz sentido. Mas sem meios, sem financiamento, não há sentido que lhe valha...

domingo, 20 de outubro de 2013

Obrigado


Infelizmente não é a primeira vez nos últimos anos que passo o aniversário longe de casa. E não consigo deixar de me surpreender com a diferença que as redes sociais conseguem trazer a este tipo de situações. Mesmo à distância, mesmo num país - São Tomé e Princípe - onde provavelmente ninguém sabe que fiz anos, consegui sentir-me próximo dos meus.

Não é evidentemente a mesma coisa do que estar pessoalmente com as pessoas. E o Facebook não substitui sequer uma chamada telefónica. Mas faz mesmo a diferença. Impressionante. Obrigado a todos.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Não são apenas os funcionários públicos, pensionistas e afins que devem estar preocupados


O efeito recessivo dos cortes agora anunciados são tremendos e evidentemente todos os setores o sentirão. Do taxista ao comerciante, do funcionário da seguradora ao consultor de uma grande empresa. Quando parecia que tinhamos já aprendido alguma coisa sobre os efeitos da austeridade, o non sense governamental toma conta de nós...

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Eu também rejeito que este seja o pior Governo de sempre


"Governo rejeita que OE represente mais austeridade" in Público. Para mentiroso, mentiroso e meio...

A Queda de mais um anjo Cavaquista


Está escolhido o bobo do atual elenco governamental. Rui Machete tem sido de facto um ótimo entertainer do país. Com um espetáculo deprimente, daqueles que chega a embaraçar os que a ele assistem, cada vez que o ex-ministro de Cavaco Silva abre a boca, chega-nos uma pérola. E por mais que Passos Coelho o tente minimizar ou escamotear, não estamos a falar de ligeiras gafes, daquelas que acontecem aos melhores. Pelo contrário. Curiosamente, esta queda dos anjos cavaquistas, aqueles que eram saudosamente lembrados como grandes homens, tem-se revelado um espetáculo recorrente.

Mas vale a pena recordar o conjunto de pequenas revelações que têm aos poucos posto abaixo o grandioso Rui Machete. A sua nomeação para o Governo levantou logo uma série de dúvidas. O experiente ex-ministro de Cavaco, cuja contratação tanto orgulhou Passos Coelho, tinha proximidades um poucos estranhas ao triste mundo do BPN. Machete foi durante muitos anos presidente do Conselho Superior da SLN, que reunia os principais acionistas do Grupo SLN/BPN. Um detalhe, portanto. Seguiu-se, como se sabe, o seu esquecimento sobre as ações que afinal detinha na SLN. Um pormenor que permitiu que não fosse auscultado nas Comissões de Inquérito ao maior crime financeiro que a democracia portuguesa já assistiu. Coisa pouca, portanto. 

Mas é o pedido de desculpas diplomático a Angola que atira definitivamente Machete para a ribalta. Num rasgo de entusiasmo fraternal na Rádio Nacional de Angola, o Ministro dos Negócios Estrangeiros pede desculpas diplomáticas pelos processos judiciais que correm em Portugal envolvendo altas figuras do Estado Angolano. Gesto que levanta imediatamente duas grandes questões: por um lado, o ridículo que é um responsável político desculpabilizar-se perante um país terceiro por processos judiciais em curso no seu país. Só por si, esta questão é já mais do que suficiente para a demissão. Não se trata de um detalhe. Trata-se de uma menorização externa da justiça portuguesa por parte do Ministro dos Negócios Estrangeiros. 

E as declarações de Machete tornam-se ainda mais graves quando deixam instalar a dúvida sobre o conhecimento indevido que o mesmo podia ter sobre os processos em curso. E os seus esclarecimentos na Assembleia da República a este respeito foram simplesmente lamentáveis. Se a isto acrescentarmos que o grande escritório de advogados onde Machete foi consultor nos últimos anos representa muitos dos responsáveis angolanos em causa, o grave transforma-se rapidamente em gravíssimo ou intolerável.

E em todos estes processos, como reage o ex-ministro Cavaquista? Indignado, claro. Estávamos à espera de quê? Indignado com as consecutivas e humilhantes tentativas de assassinato político de que a sua pessoa tem sido alvo. Algo ultrajante, portanto. Sente-se verdadeiramente perseguido pelo sistema.

Machete junta-se assim a uma série de vultos do Cavaquismo que, quando melhor escrutinados, acabam por revelar demasiados pés de barro, demasiadas linhas no currículo menos bem explicadas. São grandes referências até ao momento em que alguém tentou perceber um bocadinho melhor a seu respeito. Podemos tirar duas lições destes episódios: a primeira é que o melhor que alguns senadores podem fazer é ficar por casa sem levantar grandes ondas, pois está visto que a queda deste tipo de anjos é uma calamidade nacional. A segunda lição é que flagrantes tão grandes como os de Rui Machete não são suficientes para uma demissão. Eis uma demonstração clara de que batemos mesmo no fundo. Perdeu-se totalmente a vergonha.

Artigo hoje publicado no Açoriano Oriental

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

É fazer as contas


Há já muito tempo que tenho uma redução de salarial de cerca de 7%. Enfim, é daquelas coisas com as quais vivemos nos últimos anos... Um pormenorzito na nossa vida... Por seu turno, desde Setembro, com a aplicação das 40 horas semanais nos serviços do Estado, o meu vencimento na prática sofreu uma redução de mais de 14%. Coisa pouca... Como se já não bastasse, hoje fiquei a saber que levarei com uma redução adicional de 5% em 2014. É fazer as contas...

A alternativa a fazer as contas é partir para o insulto puro e duro... Daqueles que nos limpa a alma e nos deixa com a ilusão de justiça feita (pelo menos nos segundos seguintes). Escusado será dizer qual a minha vontade neste momento. 

domingo, 13 de outubro de 2013

iBastards


Há quase três anos atrás, fiz parte dos cromos que foram a correr comprar um iPad no primeiro dia em que foram postos à venda em Portugal. Depois de quase três anos de companheirismo, liguei-o na semana passada e tinha uma mensagem que indicava que tinha de atualizar o sistema operativo. Instalei o iOS7 mas, na parte final de registo, nada acontece. O aparelho tenta fazer o registo e... nada.

Fui a um assistente autorizado da Apple (Worten Colombo) e foi-me dito que tal indiciava um problema de hardware que tem sido comum. Assim sendo, uma vez que a Apple não repara este tipo de aparelhos, a única alternativa que me resta é pagar 200 e picos euros para ter um novo. E mais nada...

Resumindo e baralhando, um determinado dia o equipamento resolve pedir uma instalação do novo sistema operativo. Mas como não consegue o registo, assume-se que é um problema de hardware e tenho pura e simplesmente de comprar um novo ou mandar este que tenho para o lixo. Como é evidente, vou pedir uma segunda opinião. De qualquer modo, iBastards é a única coisa que me ocorre...

Sob o Signo de Amadeu - 30 anos de CAM


Já era para lá ter ido antes do Verão, mas só hoje consegui. Comemorativa dos 30 anos do Centro de Arte Moderna da Gulbenkian, a exposição "Sob o Signo de Amadeo" consegue fazer uma excelente retrospetiva dos grandes mestres da pintura portuguesa do século XX. De Amadeo de Souza Cardoso a Vieira da Silva, de António Dacosta a Almada Negreros, fica-se com a alma cheia. 

Para quem procura visitar com alguma regularidade o CAM, confesso que uma comemoração dos 30 convidava a expetativas gigantes. No entanto, esta exposição não é de facto muito diferente do que a Gulbenkian nos tem habituado. De qualquer modo, fica-se mais uma vez com uma boa noção da riqueza da coleção CAM. E, se calhar, nada melhor do que comemorar em linha com o que nos tem sido oferecido. Em equipa que ganha, não se mexe, certo?

Facebook e Twitter - O Ativismo de Sofá contra-ataca


Porque os novos impulsos são sempre bem-vindos, finalmente criei uma página no facebook dedicada exclusivamente dedicada a este blog. Poderão encontrá-la em www.facebook.com/ativismosofa. Coloquei também um widget na coluna direita do blog.

Há muito que o meu perfil pessoal esgotara os 5000 seguidores. Procurarei agora fazer alguma limpeza para que o perfil pessoal tenha de facto contornos mais pessoais, ao mesmo tempo que a página do facebook reproduzirá na perfeição o que aqui no blog se vai publicando.

Finalmente consegui também automatizar novamente o perfil no twitter. o mesmo pode ser seguido em www.twitter.com/activismodesofa.

Agora é que vai ser, pá! Quase 7 anos depois, este blog continua pronto para as curvas ;)

Já nas bancas

Índice desta edição de Outubro aqui 

sábado, 12 de outubro de 2013

O País responde?


Foi bonito ver o primeiro-ministro a responder às perguntas dos cidadãos no novo programa da RTP. Durante 90 minutos, num tom sério, pedagógico e com alguma informalidade, Pedro falou com as pessoas, explicou-lhes as políticas do seu Executivo. E demonstrou-lhes as razões de não estar a fazer o que por vezes lhes parece evidente. Pedro foi uma espécie de descodificador da atividade governamental para as pessoas, para o comum dos mortais. Do preço das passagens aéreas nos Açores, aos apoios dos jovens agricultores, dos problemas dos jovens médicos às preocupações das famílias com mais filhos, passando pelo preço dos combustíveis e pela impossibilidade de listas independentes se candidatarem à Assembleia da República, tudo se abordou naqueles 90 minutos.

Não é necessário ser-se um especialista para perceber que estes programas resultam em grandes momentos de comunicação para o “questionado” pelo país. Para um ator político, habituado aos palcos parlamentares, aos debates acessos com os seus oponentes, acaba por ser fácil responder a perguntas que lhe são feitas pela Teresa, pelo João ou pela Maria. Mesmo que devidamente formuladas, como foi o caso, o modelo de pergunta-resposta acaba por permitir que o questionado brilhe facilmente. Não estando previsto o debate, a possibilidade de contra-pergunta, a estaleca de primeiro-ministro chega e sobra para dar conta do recado.

Mas, da mesma forma que permitiu que o Pedro brilhasse, o novo programa da RTP demonstrou também que o Governo continua a não considerar qualquer caminho alternativo ao rumo seguido. É aliás o primeiro negador da existência sequer de alternativas. Porque, na visão dos protagonistas governamentais, tudo o que está a ser feito tem a sua razão de ser. Tudo o que está a ser aplicado, por mais doloroso que seja, justifica-se e pronto. E trocado por miúdos, o raciocínio anda sempre à volta de simplicidades como: “estamos em crise, não há dinheiro”, “nós nem gostamos do que estamos a fazer, mas tem de ser” ou, o argumento dos argumentos, “se o Governo falhar, o país falha”. Poderoso, não?

Para além de ser um bom palco para fazer brilhar quem há muito perdeu a chama, o programa da RTP veio demonstrar que, com mais ou menos maquilhagem, com mais ou menos remodelações governamentais, com mais ou menos trapalhadas, continuamos a ter em São Bento um Governo inabalável no rumo a seguir. Um Governo que considera que se a receita não está a funcionar, é porque a dose não foi suficientemente forte. Se a realidade não corresponde às suas ideias, se apresenta um país de rastos, maltratado, em coma, é porque a realidade está errada. 

A pergunta evidente que se coloca neste momento: o País responde?

Artigo ontem publicado no Esquerda.net

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Estes casos de Rui Machete tiram-me do sério...


Em pouco meses, estão a lançar na lama o nome do grandioso Machete. Inadmissível, uma vergonha... Demissão já!

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Notas Soltas sobre as Autárquicas


São conhecidas as noites eleitorais em que, subitamente, parece que ninguém perdeu. Como se fosse possível todos terem ganho ou, pelo menos, não existirem derrotados assumidos. Não foi isso que exatamente aconteceu com esta campanha, mas existiram alguns contornos curiosos a este respeito.

A existir um grande derrotado, o PSD assume-se claro como o principal candidato ao referido título. Para além da humilhante derrota em Lisboa, a perda do Porto e de Gaia é o reflexo do mau período eleitoral em que o partido se encontra. Tal deve-se, sem dúvida, ao desgaste do Governo, mas também às péssimas opções na escolha dos candidatos a municípios importantes como os acima referidos. As candidaturas de Seara, Menezes e Carlos Abreu Amorim foram pura e simplesmente desastrosas.

O PS, por seu turno, teve grandes vitórias, não haja dúvidas a este respeito. Mas teve também alguns percalços sintomáticos. Conseguiu que o Porto lhe fugisse e conseguiu perder o seu conhecido Matosinhos. Perdeu Loures e perdeu Évora. A vitória de António Costa foi sem dúvida retumbante, embora não tenha constituído uma grande surpresa nesta noite eleitoral. Destaque sim para a recuperação de Sintra que, embora à tangente, é um concelho que alia a dimensão com um simbolismo não menosprezável.

O PCP mostrou, por seu turno, que consegue ser uma força autárquica poderosa. Obteve bons resultados em Lisboa e Porto, ganhou Loures e Évora, dominou quase por completo o distrito de Setúbal e conseguiu assim demonstrar que uma boa estrutura militante faz toda a diferença. Demonstrou mais uma vez a todos os céticos ser um partido que, à sua maneira, tem saúde e recomenda-se. Possui grandes calcanhares de Aquiles, mas… Quem não os tem?

No que a Bloco diz respeito, demonstrou mais uma vez as suas dificuldades no que à implantação local diz respeito. Os restantes partidos com assento parlamentar levam-lhe 25 anos de avanço, mas ficou mais uma vez demonstrado que a fraca estrutura militante do partido obriga-o a pagar um preço pesado neste tipo de eleições. Sobretudo numa campanha com uma limitada cobertura dos órgãos de comunicação social. O Bloco deve naturalmente refletir para, no mínimo, tentar ser um partido menos exposto a este tipo de vicissitudes.

Nos Açores, confesso que fiquei surpreendido com alguns resultados. Em primeiro lugar, não contava com a derrota do PS em Ponta Delgada. Mesmo com toda a máquina do partido do poder a funcionar, mesmo com a notoriedade de 16 anos como Secretário Regional, José Contente conseguiu perder para José Manuel Bolieiro. Muito estranho. Curiosa foi também a vitória de Ricardo Rodrigues em Vila Franca do Campo. Eis uma candidatura estranhamente bem-sucedida, apesar de todas as polémicas que o seu líder esteve envolvido nos últimos anos. 

No que aos municípios eleitoralmente insólitos diz respeito, destaque para as derrotas do PSD na Madeira, nomeadamente no Funchal. Temos razões para celebrar. Destaque também para o facto de, apesar do seu líder estar atrás das grades, o movimento Isaltino ter ganho novamente Oeiras, um dos concelhos modelo do país nos mais diversos indicadores socio-economicos. Ou seja, a mentalidade do “rouba, mas faz” não é coisa da “província”. 

Podem ser feitas leituras nacionais dos resultados autárquicos? Sendo intelectualmente honesto, perante os milhares de candidaturas de todo o país, cada uma com a sua especificidade, diria que é muito difícil. Mas acaba também por ser inevitável fazê-lo, dado o simbolismo que algumas candidaturas assumem. O rescaldo das autárquicas promete.

Artigo hoje publicado no Açoriano Oriental

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Vamos a isto!

As autárquicas representam um esforço hercúleo para os diversos partidos. Conseguir estruturar centenas ou mesmo milhares de candidaturas, não é com certeza uma tarefa fácil. Sobretudo quando se pretende manter uma linha política coerente, séria, focada nas pessoas e não nos jogos político de curto prazo. Neste sentido, o Bloco tem naturalmente na fase de preparação das eleições de tipo autárquico um desafio particularmente grande.. 

Enquanto partido ainda recente, com uma estrutura organizacional relativamente leve, a preparação administrativa e logística das autárquicas e as necessidades de campanha inerentes não são com certeza uma tarefa fácil. Estruturar e desenvolver candidaturas por todo o país, preparando os candidatos, apoiando-os administrativa e logisticamente, são um verdadeiro teste à organização de qualquer máquina partidária, sobretudo às mais recentes.

Por outro lado, o facto de não pertencer ao centro político, o facto de ser focado em objetivos claros de mudança social, económica, política, cultural, entre outros, determina que a coerência seja o seu nome do meio. A verticalidade com que tem de se apresentar a estes atos eleitorais, ou a qualquer desafio que se lhe põe, eleva naturalmente o nível de dificuldade da sua missão.

E se a isto adicionarmos o facto de os restantes principais partidos levarem décadas de avanço no desenvolvimento de estruturas partidárias locais, implantação no terreno, conhecimento das especificidades locais, entre outras dimensões, percebemos claramente que as autárquicas são o desafio dos desafios do Bloco, enquanto partido político. Torna-se até difícil apontar um desafio tão grande como este que agora acorre.

É tendo em conta as dificuldades acima apontadas, assim como muitas outras que não são certamente aqui referidas, que podemos dizer que o trabalho realizado foi gigantesco. Não é sequer necessário estar muito por dentro dos seus meandros para perceber isso mesmo. Os milhares de militantes e simpatizantes que conseguiram colocar de pé esta mega-campanha têm com certeza razões para estar satisfeitos. Não porque tudo tenha sido perfeito, ou porque não seja possível encontrar melhores formas de o fazer, mas porque foi com certeza feito o que foi possível e impossível até.

O Bloco nunca gostou de desafios pequenos. Pelo contrário, são os grandes que nos motivam. São os desafios críticos, os desafios a doer, os desafios a sério que nos fazem correr. E a política para nós não é para nós uma profissão ou um trampolim. Estamos cá para mudar, é isso que nos move. Estamos prontos! Vamos isto!

Artigo hoje publicado no Esquerda.net

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Bluffs, Moralismos e Vingançazinhas


Passos Coelho brindou-nos no Domingo com mais um discurso do tipo “ou eu, ou o caos”. Pedro explicou na Universidade de Verão da JSD que a decisão do Tribunal Constitucional contra o sistema de requalificação dos funcionários públicos roçou a irresponsabilidade. Sem os 900 milhões de euros que o Governo previa daí arrecadar, onde irá agora o país buscar tal verba? Uma coisa parece certa para o primeiro-ministro: a medida justa, iluminada e bem-intencionada do Governo foi travada pelos chatos juízes do constitucional. O bando de malandros da função pública conseguiu mais uma vez levar a melhor e tal sairá certamente caro ao país. Quase ouvimos o Pedro suspirar: “Caramba, logo agora que tudo parecia estar a ir ao sítio, e vem-nos o Tribunal constitucional estragar a festa.” E o pior é que, com este chumbo, o Pedro não terá alternativa a não ser ir buscar a outro lado que será ainda mais doloroso para os contribuintes. Ele não queria, mas o Constitucional não lhe deixa alternativa.

Bem… Comecemos pelo fim. Tem sido interessante ver a mudança de discurso operada pelo Governo nestas últimas semanas. Pedro e Paulo assumem (agora) que o país bateu no fundo, mas que a recuperação está já a acontecer. Se calhar não reparámos mas a economia está já a recuperar. O único problema desta mensagem é que ela não condiz com o que vem a seguir. Por um lado, continuamos a ouvir que é preciso intensificar a austeridade. Ou seja, continuar o caminho que nos levou a bater no fundo… Por outro lado, ouvimos também que caso não intensifiquemos a austeridade, haverá com certeza um segundo resgate. E aí ficamos mesmo sem perceber. Segundo resgate? Mas há pouco não nos tinham dito que a economia estava já a recuperar?

Sendo uma jogada bem conhecida em política, Pedro e Paulo bem podiam esforçar-se por variar um pouco nesta estratégia de bluff seguida de vingançazinha. Ou seja, primeiro tentam sempre convencer-nos que não existe alternativa à medida proposta. Ela é dura, mas tem de ser. Foi assim com a Taxa Social Única, foi assim com os cortes dos dois subsídios da Função Pública e muitos outros exemplos poderiam aqui ser citados

Depois, quando bloqueada pelo Constitucional ou oposição, ficamos a perceber que a medida não só era dura, mas era também justa. Visava portanto repor uma qualquer disfuncionalidade do nosso sistema. Entrámos então na fase moralista. Veja-se o exemplo dos despedimentos na função pública. No início o Governo nem queria aplicá-los, mas depois lá vem dizer-nos que a sua aplicação é uma questão de justiça, de igualdade e até de moral. Tenta portanto convencer-nos que se está a perder uma boa oportunidade para colocar ordem na casa, moralizando a distribuição dos sacrifícios por todos.

Por fim, depois da fase do bluff e da fase moralista, surge a fase da vingançazinha. Isto é, o Governo não queria ir além do que propôs fazer. Mas não lhe deixam alternativa a não ser avançar com medidas ainda mais duras, ainda mais inimagináveis há pouco tempo atrás. O que se seguirá a este chumbo aos despedimentos na Função Pública? Mais encerramentos de serviços públicos? Acabar com a ADSE, RTP e outras bestas negras da direita portuguesa? 

Passos Coelho faz bem em recordar que os tribunais não governam. Não é esse de facto o seu papel e a separação de poderes é boa e nós gostamos. E os tribunais também fazem bem em lembrar-lhe que nenhum Governo pode suspender a lei fundamental. A Constituição e, consequentemente, o Tribunal Constitucional, são daquelas coisas que, vá-se lá saber porquê, têm de ser respeitadas. Pedro e Paulo, temos pena, é uma chatice, é uma seca, mas a democracia tem destas coisitas.

Artigo hoje publicado no Açoriano Oriental